Reflexões

Abrahão – Pai de todos os que crêem

אָב לְכָל־הַמַּאֲמִנִים

Para criar a nação de Israel, o Eterno foi buscar um homem que habitava, com sua parentela, em Ur dos caldeus, na Mesopotâmia.

O Deus da Glória apareceu a Abrão e lhe fez A Promessa:

Sai da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, e vai para a terra que te mostrarei. De ti farei uma grande nação e abençoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome e serás uma bênção. E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei aqueles que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra.” Bereshit 12:1-3

Embora vivendo na Caldéia e “servi[ndo] a outros deuses” (Iehoshua 24:2), Abrão reconheceu o Criador no Deus da Glória que lhe apareceu, pois, “os céus proclamam a glória de Deus e o firmamento anuncia as obras das Suas mãos.” Tehilim 19:1, e plenamente confiou em Sua Palavra.

Ao deixar tudo o que conhecia e partir para uma terra que sequer sabia onde ficava, aceitando o Seu chamado e propósito, declarou, com esta atitude, que Aquele que lhe fizera a promessa era Fiel e Verdadeiro, o Deus da Verdade, o Criador, e Lhe disse: Amén.

Assim, com Abrão aprendemos que a emunah, real, eficaz, a que produz vida e, não, uma esperança vazia, portanto, falsa, tem que ter um Objetivo e um Objeto.

Um OBJETIVO, um Alvo real e confiável – Aquele que é digno, o Deus da Verdade, Elohey Amen (אֱלֹהֵי אָמֵן – Ieshaiahu 65:16; Devarim 32:4).

Um OBJETOa Sua Palavra, cuja veracidade é comprovada pelos registros históricos.

De outra forma, a fé não tem lastro, é mera crendice, puro engano!

Portanto, crer (הֶאֱמִין), como exorta e ensina o Eterno, é confiar nEle, o Deus vivo, como resultado da análise das evidências dos fatos, os quais comprovam o Seu caráter justo, verdadeiro e fiel (נֶאֱמָן), portanto, sabendo e entendendo, baemunah, que Ele é digno e em Quem se pode descansar.

O Deus da Verdade tomou tempo em dar a conhecer os Seus desígnios eternos, em Se revelar, ao Seu povo e através dele, dando subsídios para que fosse possível concluir se Ele é merecedor de confiança ou não.

É grande bobagem alguém dizer que crê por crer, que é necessário ter fé por ter! É irracional! Se você crê numa mentira, você crê no nada! É tolo!

Entenda com clareza: haemunah não é uma fé cega, inconsistente, irracional, um pulo no escuro, com base em locubrações meramente humanas.

Exatamente para que, destas coisas vãs, os homens se voltassem para o Deus vivo, verdadeiro e fiel, que fez os céus, a terra e tudo o que há neles, Ele chamou Abrão e dele criou Israel para demonstrar Quem é digno de confiança.

Assim diz o Eterno que te criou, ó Iaaqov, e que te formou, ó Israel…

Todas as nações se congreguem, e os povos se reunam: quem dentre eles pode anunciar isto, e fazer-nos ouvir as predições antigas? Apresentem as suas testemunhas, e por elas se justifiquem, e para que se ouça, e se diga: Verdade é.

Vós sois as Minhas testemunhas, diz o Eterno, o Meu servo a quem escolhi; para que o saibais e Me creiais (וְתַאֲמִינוּ) e entendais (וְתָבִינוּ) que Eu sou Ele, e que antes de Mim deus nenhum se formou, e depois de Mim nenhum haverá.

Eu, Eu sou o Eterno e fora de Mim não há salvador.” Ieshaiahu 43:1,9-11

Sim! Haemunah está posta no Eterno e em Sua Palavra – é fruto de um exercício do raciocínio pleno, doado pelo Eterno que criou o homem à Sua imagem, um ser racional, com capacidade para analisar a Sua Palavra, compará-La com os fatos históricos, e, como David, concluir: “o Caminho de Deus é perfeito, a Palavra do Eterno é provada… pois, quem é Deus senão JHVH? E quem é Rochedo senão o nosso Deus?” Tehilim 18:30,31

O rei Iehoshafat, na peleja contra os moabitas e amonitas, exortou o povo: “Ouvi-me, ó Judah, e vós moradores de Jerusalém! Crede no Eterno vosso Deus (הַאֲמִינוּ בַּיהוָה אֱלֹהֵיכֶם) e estareis seguros; crede nos Seus profetas, e prosperareis.” Divrê Haiamim Bet 20:20

O resultado desta confiança no Eterno foi o grande livramento, sem que movessem um dedo sequer, riquezas abundantes do despojo e o louvor ao Eterno no vale que, por esta causa, recebeu o nome de ‘Emeq Beracah, Vale da Bênção (Divrê Haiamim Bet 20:21-26).

O profeta Ieshaiahu esclamou: “Ó JHVH, Tu és o meu Deus; exaltar-Te-ei a Ti, e louvarei o Teu Nome, porque tens feito maravilhas, e tens executado os Teus conselhos antigos, fiéis e verdadeiros (אֱמוּנָה אֹמֶן).” Ieshaiahu 25:1

Assim, ele declarou: tenho visto a Tua fidelidade, portanto, sei, entendo baemunah, que, em todas as Tuas promessas, jamais falharás!

Porque “haemunah é a certeza de coisas que se esperam, e a convicção de fatos que se não vêem”, como demonstrou a emunat Avraham, pois, está firmada nAquele que é fiel e que jamais falhará!

 

O que pertence à História hoje, ano de 2015?

À História, a qual nada mais é que o registro dos fatos, conforme foram prometidos?

História em 2015 –  toda a Promessa feita a Abrão, em Ur dos caldeus, Palavra de Elohey Amen, História predita ou Profecia, cumprida na letra, na gramática, no tempo determinado do Eterno – bemoadO!

História em 2015 – O nome de Abrahão engrandecido e respeitado por todas as nações!

História em 2015 – Israel é real. A grande nação formada a partir da semente de Abrahão, Itzchaq, o filho da Promessa (não Ishmael), de Iaaqov / Israel e, embora perseguida de todos os lados, é temida e indestrutível!

Após quase 2000 anos fora de sua terra, a despeito dos cruzados, dos pogroms, inquisição, Hittler e de todo o desígnio árabe/muçulmano, esta nação continua sendo Israel, habitando a terra de Israel, falando o ‘ivrit dos profetas!

Ainda que a ONU fortemente objete, desde 1967 Jerusalém é a capital eterna e indivisível da nação de Abrahão, prometida pelo Eterno, que habita em Jerusalém e é o Deus de Jerusalém (Tehilim 135:21; Divrei Haiamim Álef 23:25; Ezrah 1:3; Divrei Haiamim Bet 32:19), e o será para sempre!!!

Isto é História em 2015, Palavra de Elohey Amen!

Alguns eventos, em andamento, que comprovam a precisão da Palavra Profética, isto é, da História revelada de antemão pelo Eterno, cujo desenvolvimento podemos verificar nos noticiários, dia após dia, após dia:

Em 2013, respaldados pela Rússia a Síria, o Irã e o Hezbollah fizeram ameaças de atacar Israel, em uma retaliação a uma possível intervenção americana na Síria para acabar com suas armas químicas, “uma guerra devastadora, mas a única forma de preservar a integridade síria” na visão do Irã e Hezbollah que, segundo afirmaram, “está muito bem armado para essa guerra” (O Estado de São Paulo, 15/09/2013, A17).

Como as muitas ameaças de extermínio de Israel, feitas pelo Irã, o acordo firmado por russos e americanos em Genebra, no dia 14/09/2013, suspendeu “a possível intervenção americana” no último momento! (O Estado de São Paulo, 21/09/2013, A12).

Lembremo-nos de que o Eterno tem o Seu tempo determinado – moadO! Nada acontecerá antes do estabelecido pelo El Shadday!

Em julho-agosto de 2014, durante 50 dias Israel enfrentou uma guerra, não somente contra os habitantes da Faixa de Gaza como, também, contra o mundo inteiro que se deixou enganar pelas mentiras do Hamas. Mais de 1500 mísseis foram endereçados a Israel e miraculosamente desviados pelo Eterno, conforme reconheceu o criador do Domo de Ferro, o sistema que busca anular os mísseis lançados para matar civis.

Natan Barak, o cérebro atrás do Domo de Ferro, com sabedoria declarou: “O único que faz com que ele aconteça é Deus. Isto deveria ser claro para cada um. Tudo vem de HaShem. A razão porque eu menciono isto é porque nós não deveríamos pensar que o Domo de Ferro fez alguma coisa, nós deveríamos colocar todas as coisas em perspectiva… Graças a Deus há um Deus lá em cima, Ele dirige cada míssil para uma área aberta, para um território palestino… Este é nosso Grande Deus..” True Visual Productions – Miracles in Gaza

Mesmo antes da invenção do Domo de Ferro, os mísseis caíram em áreas abertas! E os terroristas do Hamas assim perceberam e reclamaram: “O Deus deles muda a trajetória dos nossos foguetes em pleno ar.” News24

Israel está circundado por 1,2 bilhão de árabes, cuja missão é varrer a nação da Terra.

Nessa guerra dos 50 dias, eles planejaram uma tremenda operação. Prepararam-se para abalar Tel-Aviv, prometeram muitas vítimas. Enfatizaram que os seus foguetes, constantemente evoluindo, seriam absorvidos pelo inimigo e os mísseis alcançariam muito mais alvos com a ajuda de Allah!

Mais uma vez a Palavra do Eterno foi confirmada! Israel é tão estável e segura como as leis fixas que o Criador estabeleceu para o sol, a luz do dia, e para a lua e as estrelas, a luz da noite, conforme registrado pelo profeta Irmiahu 31:34-36 (35-37).

Por outro lado, temos testemunhado durante esses anos um aumento nos incidentes antissemitas.

O massacre na Sinagoga Bnei Torah Kehillat Iaacov, no bairro Har Nof, em Jerusalém, a decisão do Parlamento Espanhol, bem como da França e de muitos outros países da UE de reconhecer o “Estado Palestino” (sic.), dando aos árabes poder contra Israel, mostram a agressividade dos goyim em relação ao povo do Eterno!

Por exemplo, a vitória de Alexis Tsipras, do partido esquerdista Syriza, nas eleições gerais de domingo na Grécia, 25/01/2015, é uma má notícia para Israel.

O partido tem constantemente se identificado com a causa palestina (sic.) e seu programa inclue a demanda da interrupção da cooperação militar da Grécia com Israel e o suporte para a criação de um estado Palestino (sic.) dentro das fronteiras de 1967… Os colegas de partido de Alexis Tsipras e seu próprio círculo íntimo têm repetidamente atacado Israel e os ‘Sionistas’, reivindicando que eles não são antissemitas, apenas ‘anti-Sionistas’… No ano passado, Tsipras declarou que ‘o mundo deveria fazer todo esforço possível para que Israel pusesse um fim em seu ataque criminoso e sua brutalidade contra os palestinos (sic.)’.” European Jewish Press, Internacional, 26/01/2015.

O ataque ao Charlie Hebdo incendiou o mundo muçulmano levando ao recrudescimento contra Israel, com ataque a um supermercado kosher em Paris, trazendo instabilidade à comunidade israelita francesa, incentivando muitos a buscar a segurança do Estado de Israel.

Estes atentados e outros mais, anteriores e subsequentes, têm levado muitos judeus a fazerem a alyah.

Assim, no mês de janeiro de 2015, “Netanyahu apresentou emergencialmente um plano para absorver 120.000 judeus franceses imigrantes.” The Jerusalem Post, Sam Sokol, 25/01/2015.  

Mas, a cobrança sobre os atos chegaram e a França se depara com o problema: onde sepultar os três assassinos – Amedy Coulibaly, Chérif Kouachi e seu irmão Saïd Kouachi, cujos corpos ainda permanecem em um morgue da polícia de Paris?

“Enquanto a França continuou a cambalear sob um dos mais sangrentos ataques terroristas em recente memória, as autoridades estão lutando com a questão do que fazer com os corpos dos três pistoleiros…

O assunto levanta uma difícil questão para o estado francês, o qual, no passado, ofereceu sepultamento muçulmano mesmo para aqueles que cometeram atos terroristas (contra judeus, sem problema algum, mas, agora, contra a sua preciosa liberdade, a França sofre experimentando o amargo gosto da maldade)…

Mohamed Merah, um francês com raízes argelinas, que matou sete pessoas em 2012 no sul da França, incluindo três crianças e um rabino em uma escola judaica em Toulouse, foi enterrado em anonimato em um terreno muçulmano em Cornebarrieu, perto de Toulouse…”  Maïa de la Baume and Dan Bilefsky, 15/01/2015

Em Buenos Aires, o promotor federal argentino Alberto Nisman, que estava investigando o sangrento atentado a uma comunidade judaica, Associação Mutual Israelita-Argentina, ocorrido em 1994, foi morto na véspera de apresentar sua denúncia à Câmara de Deputados.

Os fatos históricos na denúncia assim se desenvolveram: “Em janeiro de 2013, Cristina Kirchner anunciou um acordo com o Irã que implicava a criação de uma ‘Comissão da Verdade’ entre Buenos Aires e Teerã para investigar o atentado contra a Amia. Mas, segundo o promotor Nisman, o pacto era uma fachada para uma operação secreta de acobertamento.

Em troca da impunidade dos iranianos envolvidos, a Casa Rosada conseguiria acordos comerciais com o Irã. Esse pacto, segundo Nisman, teria sido fechado antes do anúncio formal da Comissão.

A Justiça argentina considera culpados o presidente do Irã na época, Ali Akbar Rafsanjani; o ex-chanceler Ali akbar Velayati; o ex-ministro de Inteligência, Ali Fallahijan; o ex-chefe da Guarda Revolucionária, Mohsen Rezai; o ex-chefe da Força Quds e o ex-ministro da Defesa, Ahmad Vahidi; além de outros três diplomatas.” O Estado de São Paulo, A7, 22/01/2015.

E assim, os ataques à comunidade judaica em todo o mundo continuam a ser estimulados, exaltados e, de certa maneira, “entendidos” pela comunidade internacional!

O cerco das nações se fecha em torno de Israel, conforme o Eterno revelou pelo profeta Zechariá 12, quando Ele revela dois tipos de ataques que os goyim intentarão contra Israel, porém, completamente sob Seu controle, tendo o intuito de julgá-los em terras de Israel.

No verso 3, o Eterno diz que Jerusalém será “uma pedra pesada para todos os povos; todos que a erguerem se ferirão gravemente, e contra ela se ajuntarão todas as nações da terra.” – Este é um movimento que estamos vendo paulatinamente tomar corpo, especialmente capitaneado pelas Nações Unidas, como brevemente apontamos alguns exemplos.

No verso 2, no entanto, o Eterno fala à respeito dos povos ao redor de Israel e revela que Jerusalém será uma soleira envenenada (סַף־רַעַל) para eles. Todos que tentarem se apossar dela serão mortos! Os povos ao redor de Israel são muçulmanos e estão em constante busca para exterminá-la.

Por exemplo, a manchete de uma reportagem diz:

A Jordânia Ameaça os Laços Diplomáticos com Israel sobre a Agitação no Monte do Templo.

A Jordânia tem declarado que os laços diplomáticos com Israel estão em risco… e ameaç[ou] cortar os laços diplomáticos com Israel como resultado da agitação no Monte do Templo.

Quem tem que ser responsabilizado pela violência?

Hael Abd-el-Hafiz Daud, o Ministro jordaniano para Propriedades Sagradas e Sítios Santos Muçulmanos, atacou Israel na sexta-feira (31/10/2014), asseverando que o fechamento do Monte do Templo aos fiéis muçulmanos era ‘uma escalada perigosa das autoridades israelenses e terrorismo de estado que é inaceitável, e nós não podemos nos manter calados a este respeito’. Ele completou que ‘Al-Aqsa é um lugar de adoração somente para muçulmanos e não será fechada para eles sob quaisquer desculpas, segurança ou outra coisa’.

Daud convocou as nações muçulmanas e organizações internacionais para ajudarem a Jordânia a levantar o ‘cerco terrorista’ à mesquita Al-Aqsa. Ele alegou que Israel estava tirando vantagem do atentado para assassinar Glick de modo a ganhar o controle do Monte do Templo.

O Monte do Templo foi fechado aos adoradores de todas as religiões, na quinta-feira, sucedendo à recente onda de violência árabe que infestou Jerusalém. A onda de terror culminou com o atentado de assassinato, do Jihad Islâmico, à vida do Rabi Yehuda Glick.

O Rei Abdullah da Jordânia atacou violentamente Israel, no domingo, e prometeu que seu país protegeria os sites sagrados cristãos e muçulmanos.

Israel está correntemente marcando o 20º aniversário da assinatura dos acordos de Paz com a Jordânia.” United with Israel, por Ayeh Savir, 02/11/2014.

No mesmo diapasão, temos “a declaração do líder turco, Presidente Recep Tayyip Erdogan: ‘O ataque bárbaro de Israel à Mesquita al-Aksa é equivalente a um ataque à Turquia e Argélia, porque a Mesquita al-Aksa pertence a todos nós’, de acordo com uma reportagem, quinta-feira, no Today’s Zaman, durante um discurso na Argélia a empresários turcos e argelinos, declarações imediatamente criticadas por Israel como ‘maldosas e extremistas’, retórica não condizente com o líder de um país da OTAN.

Um oficial do governo disse que Israel tem enfrentado ‘uma campanha maldosa de calúnia concernente à, assim chamada, ameaça à al-Aksa. Esta campanha tem sido conduzida por extremistas islâmicos que alegam que há uma ameaça à al-Aksa. Isto não tem base e é ridículo, é uma calúnia que não tem relação com a verdade, toda ela’.

O Oficial disse que Jerusalém foi conturbada quando o Presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas e a AP ‘repercutiram essas acusações sem base’, e quando Abbas disse que os judeus estavam ‘contaminando’ o Monte do Templo.

“Nós ficamos igualmente perturbados quando ouvimos esta sorte de coisa de um líder de um país da OTAN’, o oficial completou. ‘Em última análise, este tipo de retórica extremista e maldosa é aquele que alguém espera ouvir de Teerã e Damasco, não de uma capital da OTAN’.” The Jerusalem Post, por Herb Keinon, 21/11/2014

O Irã pede a destruição de Israel, dando suporte a ataques terroristas contra o Estado Judeu e, ao mesmo tempo, desenvolve armas nucleares, em segredo, para executar sua solução final, para alcançar seu alvo iníquo.

Como revelou Adam Kredo, “um alto legislador iraniano e clérigo disse que o programa de enriquecimento de uranio pelo país poderia permitir a ele construir uma arma nuclear ‘em duas semanas’ de modo a ‘derrubar Israel’, de acordo com os múltiplos relatos da imprensa na linguagem farsi.

O legislador iraniano e clérigo Muhammad Nabavian disse na sexta-feira… ‘nós não estamos buscando uma bomba atômica, mas, ter uma bomba nuclear é necessário para pôr Israel no chão’… de acordo com uma tradução independente de seu comentário fornecido ao Washington Free Beacon.” Jews News, 26/01/2015.

Por outro lado, a diminuição das sanções da administração Obama sobre o Irã e as discussões sobre armar esses muçulmanos extremistas com capacidades nucleares põem o mundo todo em risco.

Netanyahu tem insistido com os Estados Unidos e com o conjunto P5+1 (EE.UU., China, França, o Reino Unido, Rússia e Alemanha) sobre o perigo que a comunidade internacional corre se o Irã conseguir seu intento, não apenas Israel, embora abertamente o Ayatollah Khamenei, governante do Irã, clame pela aniquilação de Israel, como o fez através de tweets e comícios ameaçando ‘Morte à América’ e ‘Morte a Israel’.

As palavras de Netanyahu ao programa da CBS “Face the Nation”, no domingo à tarde (16/11/2014, United with Israel) vieram exatamente dois dias após um líder do clero iraniano ameaçar arrasar Tel Aviv… em um sermão televisionado e levado ao ar na sexta-feira (14/11/2014): Ayatollah Ali Movahedi-Kermani incita contra Israel intimando sua destruição  – 14/11/2014, Canal 1 (Irã), MEMRI TV.

Os eventos obstinada e sistematicamente se desenrolam na direção do cumprimento da Palavra Profética!

Deste modo, para o dia 11 de fevereiro de 2015, “o presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, John Boehner, desafiando o presidente Barack Obama sobre o Irã, convidou o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, para discursar em uma sessão conjunta do Congresso sobre ‘as ameaças de Teerã’ e do ‘radicalismo islâmico’. Atualmente, os EUA e outras cinco potências (P5+1) mantém negociações com a República Islâmica para um acordo sobre seu programa nuclear.” O Estado de São Paulo, A10, 22/01/2015,

“Em meio às críticas por aceitar este convite (de fazer um pronunciamento em sessão conjunta do Congresso Americano), o Primeiro Ministro Israelense Binyamim Netanyahu falou no encontro semanal do Governo, esta manhã (25/01/2015), e explicou sua insistência em viajar para os Estados Unidos, a despeito do criticismo que sua viagem provoca.

Netanyahu explicou que ele viajará para os Estados Unidos para tentar e prevenir as negociações em formação entre os Estados Unidos e Irã. ‘Durante as próximas semanas, um tratado com o Irã pode ser alcançado. Um tratado que porá em perigo o Estado de Israel’, ele declarou.

‘Estamos falando acerca do mesmo Irã que assumiu o controle do Líbano e da Síria, e está agora controlando o Iêmen e o Iraque. O mesmo Irã que está preparando uma frente ativa nas Colinas Sírias do Golã e no sul do Líbano contra nós. Nós não podemos permitir que ele venhar a obter armas nucleares’, ele adicionou.” The Jerusalem Post, Jan 25, 2015, Yael Klein.

Poucos dias antes, provando a acurácia da análise de Netanyahu, “um ataque bem sucedido de Israel a um comboio no Golam sírio, em Quneitra, expôs a extensão dos esforços iranianos para iniciar uma guerra. O Hezbollah ameaçou que sua resposta ‘seria dolorosa e inesperada’”, conforme o Brig.-Gen. (ret.) Dr. Shimon Shapira, pesquisador senior associado ao Centro para Assuntos Públicos de Jerusalém, 21/01/2015.

“O jornal libanês Al-Joumhouria relatou… que a investigação do ataque, pelo Hezbollah, descobriu que o General da Guarda Revolucionária Iraniana Mohammed Allahdadi… estava na área de Quneitra no lado sírio das Colinas do Golã, no domingo (18/01/2015), com o pessoal do Hezbollah, nos postos avançados que os sírios e os iranianos construíram para conter os rebeldes sírios juntamente com as forças armadas sírias.

Poucos dias antes da visita de Allahdadi, uma ‘sala de operações’ conjunta foi estabelecida com o Hezbollah.

Foi relatado que Allahdadi foi morto juntamente com seu assistente pessoal, seu motorista e um oficial iraniano mais jovem. Um total de onze pessoas morreu no ataque aéreo, incluindo Jihad Mughniyeh, filho do último líder militar e Imã Mughniyeh Mohammad Issa, o cabeça da operação do Hezbollah na guerra entre Síria e Iraque.

O Hezbollah, grupo militante xiita que é sustentado pelo Irã e lutou uma guerra de 34 dias com Israel em 2006, disse que seis de seus membros morreram no ataque. Em sequência ao ataque, Teerã prometeu responder. ‘Estes martírios provaram a necessidade de se permanecer em jihad. Os sionistas precisam esperar raios destruidores’ declarou o chefe da Guarda Revolucionária, General Mohammad Ali Jafari, citado, na terça-feira, pela agência de notícias Fars.”  The Jerusalem Post, por Yasser Okbi/ Maariv Hashavua, 24/01/2015.

Hasan Nasrallah, o líder do Hezbollah, recentemente declarou que o Líbano e a Síria são agora uma frente unificada e geograficamente contígua contra Israel. Antes da guerra civil síria, nenhuma afirmação sobre estas linhas teria sido possível, uma vez que o regime de Assad impedia ações agressivas contra Israel do seu lado da fronteira. Mas, os tempos mudaram. Em meio à anarquia de uma guerra civil em andamento, Assad não pode mais exercer este tipo de controle que tinha antes. Isto poderia deixar o Irã jogar um jogo muito perigoso no flanco nordeste israelense.” The Jerusalem Post, Arab-Israeli Conflict, 24/01/2015.

“Enquanto isso, a mídia iraniana reportou que o Ministro da Defesa iraniano e seu equivalente russo assinaram um acordo que poderia suprir as Guardas Revolucionárias Iranianas com mísseis “tie-breaking” S-300 – uma transferência que Israel tentou abortar no passado através de meios diplomáticos.” The Jerusalem Post, Tom Dolev, 20/01/2015.

 

Como estamos mostrando pelo desenrolar dos fatos, o Eterno tem o Seu tempo próprio – moadO e cada peça será perfeitamente encaixada no cumprimento da Palavra de JHVH! Podemos confiar nEla!

De fato, mais um peão toma posição neste grande tabuleiro: a Rússia!

“A Rússia pode enviar o sistema de mísseis S-300 para o Irã. O contrato original para a venda do sistema foi cancelado em 2010, pelo então presidente Dmitry Medvedev, após forte pressão do Ocidente e das sanções das Nações Unidas, impostas ao Irã, sobre seu disputado programa nuclear.

A Rússia pode entregar um bastante atrasado sistema de mísseis de defesa aérea ao Irã, honrando um contrato que foi cancelado em 2010 seguindo forte pressão do ocidente, disseram as mídias iraniana e russa na terça feira.

O Ministro da Defesa, Sergei Shoigu, está visitando Teerã e assinou um acordo com o Ministro da Defesa iraniano, Brigadeiro General Hossein Dehqan, para impulsionar a cooperação, disse a agência de notícia semi-oficial Iran’s Fars…

Ivashov disse que os laços da Rússia com o Irã se fortaleceram recentemente devido às sanções do ocidente que agora ambos estão encarando, e adicionou que os dois países estavam procurando expandir sua cooperação em outras áreas.” Israel News, 20/01/2015.

MoadO!

Durante um recente pronunciamento em Teerã, o Supremo Líder Ali Khamenei disse que a luta armada deveria continuar até que o regime sionista fosse destruído por um referendo. Um referendo é “a única solução para aquele regime bárbaro e egoísta” e, até lá, o que é requerido é ‘resistência total armada’, disse Khamenei em 23 de julho de 2014. MEMRI TV.

Mas, Israel é a Nação Eterna! Ela mesma é um milagre porque assim determinou a Palavra de Elohey Amen!

Assim, estes movimentos das nações islâmicas como a Turquia, cada vez mais antissemita, da Síria, Líbano, Jordânia, através de organizações terrorristas como o Hamas, Hezbollah, Irmandade Muçulmana, respaldadas, sustentadas e municiadas pela Rússia e Irã, numa união contra Israel, refletem a sua rebelião contra Eterno, para fazerem tudo o que está registrado na Palavra Eterna!

Assim, o profeta Daniel, no capítulo 11, relata as investidas da Síria (o rei do norte) e do Egito (o rei do sul) contra Israel, “porém isso não prosperará, porque o fim virá no tempo determinado (כִּי־עוֺד קֵץ לַמּוֹעֵד)v27.

Através de Iechezqel, o Eterno revelou, desde os dias antigos, a oposição destas nações ao Seu povo, dizendo-lhes que se associariam sob um cabeça, a quem Ele Se dirige dizendo: “depois de muitos dias… no fim dos anos virás à terra que se recuperou da espada, ao povo que se congregou dentre muitos povos sobre os montes de Israel, que estavam sempre desolados… então subirás, virás como tempestade, far-te-ás como nuvem para cobrir a terra, tu e todas as tuas tropas, e muitos povos contigo. Assim diz Adonai JHVH: Naquele dia terás imaginações no teu coração, e conceberás mau desígnio…”  

O Eterno continua dizendo àquele que Ele chama de Gog, o líder, príncipe de Rosh – Rússia, Meshech e Tubal (Meshech e TubalLeste Europeu e Sudeste da Ásia), o qual comanda uma coalisão de nações:

“Eis que Eu sou contra ti, ó Gog… da terra de Magog (identificada com a vasta terra ao extremo norte de Israel, além do Cáucaso, a Rússia e as repúblicas islâmicas do sul da antiga União Soviética e seus satélites)… virás, pois, do teu lugar das partes mais remotas do norte… Eu te farei voltar, e porei anzóis nos teus queixos e te levarei a ti, com todo o teu exército… uma grande multidão… Pérsia (Irã), Cush ou Etiópia (Sudão) e Put (Líbia) estarão entre eles… Gomer e todas as suas tropas; a casa de Togarmah (Gomer e Togarmah – Turquia)… muitos povos contigo… Nos últimos dias hei de trazer-te contra a Minha terra… aos montes de Israel… nos montes de Israel cairás, tu e todas as tuas tropas, e os povos que estão contigo… para que as nações Me conheçam a Mim, quando Eu tiver vindicado a Minha santidade em ti, ó Gog, perante elas… Os da casa de Israel saberão que Eu sou o Eterno seu Deus… esquecerão a sua vergonha e toda a perfídia com que se rebelaram contra Mim, quando habitarem seguros na sua terra, e ninguém os atemorizará.” Capítulos 38 e 39.

O que o Eterno está relatando de antemão é que a Rússia e seus aliados islâmicos serão julgados sobre os montes de Israel, Judéia e Samaria, que eles insistem pertencerem a eles:

“Os dois povos (Judah e Israel) e as duas terras (Judéia e Samaria) serão meus e os possuirei, sendo que JHVH se achava ali… ouvi todas as tuas blasfêmias, que proferiste contra os montes de Israel… vós vos engrandecestes contra Mim com a vossa boca, e multiplicastes as vossas palavras contra Mim; e Eu o ouvi!” Iechezqel 35:10,12,13

Embora, neste capítulo 35, o Eterno Se refira a Seir ou Edom ou Esaú, no capítulo seguinte 36, juntamente com Edom, acrescenta “o resto das nações circunvizinhas” v4, revelando o desejo das demais nações de abocanhar os montes de Israel para si e, então, Ele declara: “levantando Eu a Minha mão jurei que as nações que estão ao redor de vós levem o seu opróbrio sobre si mesmas.” v7.

 

Não nos esqueçamos de que Israel é Pedra Pesada e que Jerusalém é “soleira envenenada (סַף־רַעַל) para todo aquele que se levanta contra JHVH, o Eterno, Deus de Israel!

 

Assim, no Seu tempo próprio Ele as julgará, confirmando a Sua Palavra eterna e Seu soberano poder, justo e santo!

 

Por isso, ao lermos os jornais, hoje, estamos meramente observando os eventos se desenrolarem e os personagens assumirem a atitude e o papel de há muito revelados pelo Deus da Verdade. As ameaças que eles fazem e sua agressividade contra o Seu povo apenas evidenciam o seu posicionamento em relação ao Eterno.

É contra JHVH e Seu Mashiach que eles se insurgem, conforme Tehilim 2!

“Na Sua ira lhes há de falar” v5, no tempo próprio, no tempo do Eterno, conforme a História preditiva registrada, a Profecia!

 

Ao intentarem contra Israel, desafiam a Rocha, o Deus de Israel e Sua Palavra Eterna empenhada a Abrão.

 

Esta é a grande nação, semente de Abrahão, eternamente garantida pela Beracat Avraham, HaMashiach.

Israel é eterna e está segura porque assim diz JHVH e o garante com o sangue do corte da eterna Aliança, Brit Chadashah – Irmiahu 31:30-33 (31-34).

 

Como Abrahão, pai da nação de Israel, todo aquele que, baemunah, descansa em Elohey Amen e em Sua Palavra, tem VIDA ETERNA e está seguro eternamente!

Você já descansou, baemunah, na Palavra de Elohey Amen, o Eterno de Israel, como Avraham avinu?

Vera Lúcia A. de Almeida – 2015