Reflexões

A REEDENÇÃO NO MESSIAS

prayer-412520_1280

Tendo o ETERNO criado a Adão, deu-lhe a ordem de lavrar e guardar o Jardim do Éden. De todas as árvores do jardim podia comer livremente, menos da árvore do conhecimento do bem e do mal, porque no dia em que dela comesse, certamente morreria. (Gênesis 2:16,17). Imediatamente após o ETERNO criou a varoa (Gênesis 2:18-25).

 

O inimigo, Satã, enganou à varoa, induzindo-a e ela a seu marido, a duvidarem da ordem do ETERNO, o que moveu-os à desobediência: comeram do fruto proibido (Gênesis 3: 1- 7).
Esse ato provocou: 1) o imediato rompimento (separação ou morte espiritual) deles com o ETERNO, redundando na morte física; 2) a maldição sobre a serpente, a terra, a mulher e o homem (Gênesis 3: 8-19).
Veja, o pecado de Adão e Eva foi contra o ETERNO. Passou a todos os seus descendentes – a raça humana.
Portanto, os homens morrem porque são pecadores, tanto gentios quanto judeus.
Quem poderia resgatar ou pagar o preço eterno do pecado eterno ao ETERNO? Ninguém!
Mas, qual foi a solução do ETERNO para o pecado humano?
A solução do ETERNO foi: 1) o REMIDOR (GOEL) ou o MESSIAS, o Ungido, descendente de mulher (da raça humana) que “esmagaria a cabeça” de Satanás (Gênesis 3:15 – 4000 a.C.) ; 2) o meio de redenção – sacrifício de animais, derramamento de sangue, para perdão e cobertura dos pecados (Gênesis 3: 21).
Adão creu na promessa do MESSIAS e demonstrou isso mudando o nome de sua mulher para EVA – mãe de todos os viventes (Gênesis 3:20). Eles demonstraram isso também ao aceitarem as vestimentas de peles (cobertura) providenciadas pelo próprio ETERNO, peles essas de animais que foram mortos, ou seja, houve derramamento de sangue de animais.
A partir daí, começou o princípio que depois foi registrado na Lei: “o sangue vo-lo tenho dado sobre o altar, para fazer expiação (cobertura) pelas vossas almas; porquanto é o sangue que faz expiação em virtude da vida” Levítico 17:11. Eis o porque aquele que cria no ETERNO e desejava agradá-LO, oferecia sacrifício de sangue de animais pelos seus pecados. E mais ainda, quando o ETERNO deu a Lei a Moisés, estabeleceu que esses sacrifícios deveriam ser feitos no Tabernáculo, durante a peregrinação de 40 anos no deserto até a conquista de Canaã e depois no Templo.
Por todo o Antigo Testamento, o ETERNO revela as credenciais ou identificações desse REMIDOR – o MESSIAS divino e de sua obra. Teria que ser, além de semente de mulher, semente de Sem – 2348 a.C.) (Gênesis 9:26), semente de Abraão – 1921 a.C. (Gênesis 12: 1- 3; 17: 1-22), semente de Isaque – 1804 a.C. (Gênesis 26: 1- 3), semente de Jacó – 1760 a.C. (Gênesis 28:10-17), da tribo de Judá – 1689 a.C. (Gênesis 49: 8-12), semente de Davi – 1042 a.C. (2 Samuel 7: 8-16, Salmos 110: 1- 3), como SERVO, seria ferido do ETERNO – 712 a.C. (Isaías 53: 4), levaria a iniquidade de Israel e dos gentios (Isaías 53:4-6, 12), seria cortado da terra dos viventes (morto) por causa da transgressão de Israel (Isaías 53: 8; Salmos 22:11-18), seria posto como oferta pelo pecado (Isaías 53:10) antes da destruição do 2º Templo e de Jerusalém – 538 a.C. (Daniel 9:25,26), ressuscitaria e veria a sua posteridade (Isaías 53:11,12).
Portanto, a solução do ETERNO para o pecado humano foi o MESSIAS, o Ungido, que seria, simultaneamente, o REMIDOR e o meio de redenção. Quem, judeu ou gentio, cresse no MESSIAS divino que viria para pagar o preço de seu pecado, apresentaria o sacrifício estabelecido pelo ETERNO na Lei, no lugar determinado: o Templo, e seria resgatado, redimido.
A pergunta agora seria: “Como apresentar sacrifícios pelo pecado se não há Templo desde o Ano 70 d.C.?
Que pecado Israel cometeu que por 70 anos, tendo sido levado cativo para a Babilônia em 586 a.C., ficou sem Templo e sem sacrifícios, Templo este que foi totalmente destruído por Nabucodonozor?
Não guardaram os sábados e dedicaram-se à idolatria (2 Reis 17: 1-41; Jeremias 25: 1-12; 29: 1-10), isto é, abandonaram ao ETERNO.
Que pecado Israel cometeu que, desde o ano 70 d.C. EC – mais ou menos 1929 anos, está sem Templo e sacrifícios?
O povo de Israel e o mundo, querendo ou não, tem que reconhecer que a história humana foi dividida por um judeu de nome JESUS. ELE era da descendência de Davi e de Abraão, Isaque e Jacó (Mateus 1: 1, 2) e sabemos que Abraão era descendente de Sem, este de Noé, este de Lameque, este de Matusalém, este de Enoque, este de Jarede, este de Maleleel, este de Cainã, este de Enos, este de Sete, e Sete de Adão (Lucas 3:34-38). Portanto, JESUS (YESHUA em hebraico) é descendente de mulher, de Sem, de Abraão, de Isaque, de Jacó, de Davi, satisfazendo assim as identificações estabelecidas pelo Antigo Testamento, vistas acima.
YESHUA (JESUS) foi reconhecido como o profeta prometido por Moisés (Deuteronômio 18:15-19; João 6:14; 7:40). João Batista o apontou como “o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (João 1:29). Afirmou que não tinha pecado (João 8:1-10; 46). Foi chamado de o Filho de Davi (Mateus 12:23).Foi reconhecido, declarou-se, provou que era e foi aclamado como o MESSIAS (João 1:41; 4: 1-30; Mateus 26:63,64; Lucas 19:28-44). Anunciou com antecedência que morreria e ressuscitaria, o que aconteceu (Mateus 12:38-41; João 10:17,18; Mateus 28: 1-10). Foi proclamado e crucificado como Filho de Deus e Rei de Israel (João 1:43-51; Mateus 27:32-54). Sua morte ocorreu antes da destruição do Templo no Ano 70 de nossa era, cumprindo a profecia do profeta Daniel (Daniel 9:25,26).
Portanto, Israel está hoje sem Templo porque não reconheceu o tempo da visitação do MESSIAS prometido no Antigo Testamento pelo ETERNO: o cordeiro do ETERNO que tira o pecado do mundo, uma vez para sempre, de Israel e dos gentios (Lucas 19:28-44), isto é, rejeitou o MESSIAS.
Das duas uma: se Jesus não é o MESSIAS – o Remidor, ninguém têm nada a perder, mas se ELE é o MESSIAS, está em jogo a nossa eternidade.
A eternidade depende de crer ou não na redenção providenciada pelo ETERNO, enviando o MESSIAS como oferta pelo pecado e é determinada, individualmente, enquanto se está vivo na carne. Não depende da organização ou religião instituída a que alguém pertença.
Se alguém nasceu judeu, vive sendo judeu e morrerá sendo judeu. Se alguém nasceu gentio, vive sendo gentio e morrerá sendo gentio. Judeus e gentios, por nascimento natural estão apartados, desligados (mortos para o) do DEUS VIVO. Porém se judeu ou gentio, aceitar a redenção no MESSIAS, terá o alto preço do resgate de sua alma pago por ELE. Será redimido pelo MESSIAS, e o seu destino eterno será a presença do ETERNO – a vida eterna.
JESUS CRISTO disse: “E como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do Homem seja levantado; para que todo aquele (decisão pessoal) que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus amou o mundo (você, eu, etc..) de tal maneira que deu o seu Filho unigênito (JESUS, O MESSIAS), para que todo aquele (decisão pessoal) que nele crê, não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é julgado; mas quem não crê já está julgado; porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus” João 3:14-18.
Pela impenitência de Israel, dos judeus, a redenção no MESSIAS chegou até aos gentios, e eu o invoquei como meu Remidor (Goel) pessoal.
E você? Que decisão vai tomar em relação à redenção no MESSIAS?
Se O aceitar, o judeu não deixará de ser judeu. Tornar-se-á um filho de Deus, descendente de Abraão pela carne e pela fé no Remidor – o MESSIAS. Um judeu redimido.
Se O aceitar, o gentio não deixará de ser gentio. Tornar-se-á um filho de Deus, descendente de Abraão pela fé no Remidor – o MESSIAS. Um gentio redimido.”

Darci G. Corrêa

Muitos israelitas e gentios têm depositado sua fé no MESSIAS, aceitando-O como seu REMIDOR pessoal através da mensagem bíblica transcrita acima. São reconhecidos como judeus e gentios messiânicos (que creem no Messias e não que pertencem à Igreja Messiânica).
Hoje, os judeus ortodoxos creem que o Messias virá para estabelecer o reino prometido a Davi, em Jerusalém. Para os judeus conservadores, o Messias virá, mas eles não têm muita certeza quando e como isso ocorrerá, porque ignoram, na sua maioria, as identificações do Messias prometido no TANACH (como eles chamam o Antigo Testamento). Para os judeus liberais, o Messias não será uma pessoa, mas uma era de paz e segurança que virá sobre todo o mundo.